Cresce o número de amputações de membros inferiores no Brasil

O número de amputações de membros inferiores aumentou significativamente no Brasil durante a pandemia de Covid-19. Em média, 66 pacientes passam por esse tipo de cirurgia diariamente. Entretanto, em 2020, quando a crise sanitária se instalou no país, a média saltou para 75,64.

No ano seguinte, chegou a 79,19, a maior soma de procedimentos, totalizando 28.906 casos. Os dados são de levantamento da SBACV (Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular). Para especialistas, o problema estaria relacionado à descontinuidade no acompanhamento de pacientes com doenças crônicas durante o período.

Mais da metade dos casos de amputação envolve pessoas com diabetes, embora o problema também possa estar relacionado a muitos outros fatores de risco, como tabagismo, hipertensão arterial, idade avançada, insuficiência renal crônica, estados de hipercoagulabilidade e histórico familiar.

Entre 2012 e 2021, período do levantamento, 245 mil brasileiros sofreram com a amputação de pernas, pés ou dedos. O trabalho, feito com base em dados do Ministério da Saúde, mostra que, nesse período, de maneira geral, o aumento do número de procedimentos foi de 53% – o que se agravou nos últimos dois anos.

A probabilidade de que o número de 2021, considerado o maior, seja superado em 2022 é alta, já que a média diária de procedimentos nos três primeiros meses deste ano é de 82.

A grande maioria dos procedimentos médicos teve queda acentuada durante a pandemia. No caso das amputações, no entanto, foi registrado um aumento. Para especialistas, isso ocorreu por conta da dificuldade de acompanhamento das complicações na saúde dos pacientes que, durante a emergência sanitária, abandonaram tratamentos e evitaram a ida a hospitais e consultórios com medo da contaminação pelo vírus.

Com isso, muitos acabaram indo ao hospital apenas nas situações mais graves, em que já não era possível evitar a amputação. Para o cirurgião vascular Mateus Borges, diretor da SBACV, "esses dados demonstram o impacto da pandemia no cuidado e na qualidade de vida dos pacientes".

Segundo ele, pessoas com diabetes que desenvolvem úlceras e evoluem para quadros infecciosos demandam longos períodos de internação ou reinternação, com consequentes períodos de perda ou afastamento do trabalho, aposentadoria precoce e, por vezes, queda na autoestima, depressão ou criação de um quadro de dependência de familiares ou amigos.

Outro dado preocupante é o indivíduo que tem diabetes e não sabe. Foi o caso do mineiro Luís Cardoso, de 55 anos, que trabalha em rodeios no interior de São Paulo. Quando recebeu o diagnóstico da doença, já era tarde demais para salvar o dedão do pé esquerdo. "Eu estava no interior de São Paulo e tive que ir para Belo Horizonte para ver o médico, e já tive que tirar o dedão", contou. "Em 2020 tive um problema de infecção e tive que tirar os outros quatro dedos."

Durante a pandemia, Luís Cardoso também enfrentou dificuldades. "As rodovias estavam fechadas e tinha dificuldade para ir a Belo Horizonte ver o meu médico", disse. "Em outubro do ano passado, usei um sapato que machucou o meu pé e tive que tirar o dedo do meio do pé direito. Mas estou bem, está tudo sob controle."

Em números absolutos, os estados que mais executaram procedimentos de amputação de membros inferiores no sistema público foram São Paulo (51.101), Minas Gerais (26.328), Rio de Janeiro (21.265), Bahia (21.069), Pernambuco (16.314) e Rio Grande do Sul (14.469). Por outro lado, os estados com o menor número de registros são Amapá (315), Roraima (352), Acre (598), Tocantins (1.154) e Rondônia (1.383).

 

Comentários